#bankerslife. EXCLUSIVO. Bancões deram crédito a empresas fantasmas de Youssef e Assad

Bancões deram crédito a empresas fantasmas de Youssef e Assad

#bankerslife. Lembra do Alberto Youssef? O primeiro doleiro da Lava Jato? E do Adir Assad? Este era até promotor de shows, trouxe o U2 para o Brasil, a Amy Winehouse, a Beyonce.

Artistas à parte, ambos foram apontados como os maiores doleiros da Lava Jato. Aliás, a Lava Jato existe graças a Youssef que foi o primeiro a ser pego e a delatar os esquemas da Petrobras. Pois bem, os dois tinham dezenas de empresas fantasmas e muitas eram usadas para emitir notas frias às empreiteiras e com isso fazer rodar as propinas bilionárias. E adivinha onde algumas destas empresas tinham contas oficiais e tinham até crédito apesar de serem fantasmas, com endereços falsos e em nome de laranjas? No Bradesco, no Itaú e no Santander.

A Lagartixa Diária teve acesso a uma série de documentos juntados a processos judiciais que correram na Justiça paulista envolvendo as empresas e os bancos. Além de contas bancárias, as empresas fantasmas também receberam empréstimos como mostram os documentos nas fotos.

O Bradesco por exemplo tinha como clientes a Rigidez Empreiteira, a RCI Software, ambas de Youssef. O Santander tinha a MO Consultoria, a Rigidez, ambas de Youssef, alem da JSM Engenharia e Terraplenagem e a Rock Star, de Assad. O Itaú tinha as contas da MO e Rock Star. Todas estas empresas, segundo investigações do Ministério Público eram empresas fantasmas dos doleiros. A Rock Star era uma verdadeira estrela e já tinha aparecido na CPI do caso Delta Engenharia. Esta empresa foi muito usada no esquema de Adir Assad e emitiu nota fria para empreiteiras e até concessionárias como a CCR. Os bancos não conheciam seus clientes, como mandam as regras do Banco Central?

Para quem não sabe, hoje foi deflagrada no Rio a Operação Eficiência que prendeu dois gerentes do Bradesco que ajudaram a lavar quase 1 bilhão de reais por meio de contas oficiais abertas por empresas fantasmas dos doleiros de Sérgio Cabral. A denúncia feita pelo Ministério Público chegou também ao Itaú e ao Santander. Corre no post anterior que lá você encontra mais detalhes.

Os bancos não se pronunciaram sobre estes casos específicos.