#bankerslife. Lava Jato chega aos bancões

Lava Jato chega aos bancões

#bankerslife. LAVA JATO CHEGA AOS BANCÕES. Depois de quase cinco anos, a Lava Jato chegou aos três grandes bancos privados brasileiros. Doleiros de Sergio Cabral usaram contas oficiais abertas no Bradesco, Itaú e Santander para lavar grandes somas de dinheiro de propinas.

Dois gerentes do Bradesco foram presos hoje no Rio porque ajudaram, segundo denúncia do Ministério Público Federal, a legalizar quase R$ 1 bilhão por meio de contas oficiais abertas na instituição. No Itaú, a movimentação teria chegado a 94 milhões de reais e no Santander 19 milhões.

As denúncias foram feitas em delações premiadas dos doleiros Vinicius Claret (Juca) e Claudio Barboza (Tony).

CHEQUINHOS E BOLETOS. O esquema era bem complexo pois envolvia também um esquema no exterior. Mas em linhas gerais, os doleiros coletavam chequinhos de pequenos valores recebidos por empresas de varejo e depositavam em contas bancárias abertas por empresas fantasmas. O esquema também funcionava com boletos. Tudo para driblar o Coaf, sim aquele mesmo da novela do Sergio Moro no Congresso e do caso Queiroz. Depois o dinheiro era transportado direto para a organização criminosa.

Para abrir estas contas, havia um esquema com os gerentes dos bancos que faziam vista grossa à documentação apresentada. No caso do Bradesco, o MPF identificou pagamento de mesada aos tais gerentes.

Pelas regras do Banco Central, o banco precisa conhecer o seu cliente, ou seja, ele precisa saber se uma empresa existe de verdade ou não.

Mas você acha que somente os doleiros do Sérgio Cabral é que tinham contas de empresas fantasmas nos bancões? Dá uns minutos e corre para as páginas da Lagartixa Diária nas redes, que logo logo vamos te contar muito mais.

Bradesco disse que ficou sabendo pela imprensa. Tanto Bradesco quanto Itaú dizem que adotam as melhores práticas éticas. O Itaú também informou que as contas das empresas denunciadas foram fechadas há dois anos.

Foto: Marcelo Chello