#baratavoa. Trump tarjado de novo.

A imagem pode conter: 3 pessoas

O Twitter ousou botar um selo de fake news em um post de Donald Trump e o presidente americano reagiu imediatamente. Assinou um decreto que abre a possibilidade de as redes sociais serem responsabilizadas por retirar posts, excluir perfis ou botar tarja em posts. E o que fez o Twitter? Foi lá e botou uma nova tarja em um post de Trump, nesta manhã, dizendo que viola as regras da comunidade ao incentivar a violência. Mas o post não foi apagado. Xiiii, Tixa. Que treta, hein?

Muita treta, darling. Esses líderes políticos acham que podem usar as redes sociais para dizer o que bem entendem, mas essas redes são empresas privadas e estabelecem suas próprias regras. Só o Trump tem 80 milhões de seguidores no Twitter. Bolsonaro tem 6,6 milhões. E agora ficam se esperneando quando a rede diz: peraí isso aqui é fakenews.

Trump diz no post oculto desta manhã que vai ter tiroteio contra os manifestantes em Minneapolis que estão botando fogo em prédios, como protestos pela morte de um cidadão negro pela polícia. George Floyd perdeu seu emprego de segurança durante a pandemia e a polícia foi chamada por um supermercado quando ele tentava fazer compras com uma nota falsa de 20 dólares. O policial sufocou Floyd mesmo ele dizendo que estava ficando sem ar. A morte gerou uma onda de protestos violentos em todo o país.

#PP (Para os perdidos). No primeiro post com tarja de Trump, o presidente americano dizia que as células eleitorais enviadas pelos Correios eram fraudulentas.
#PP1. Este ano tem eleição nos Estados Unidos para presidente e Trump é candidato.
#PP2. Nas eleições de 2016, o Facebook foi acusado de ter influenciado o pleito ao permitir que a Cambridge Analytica usasse os dados colhidos na rede para manipular eleitores.
#PP3. Bolsonaro também está se estranhando com o Facebook aqui no Brasil. Ele andou fazendo umas lives que caíam ou tinham problemas técnicos, e botou suspeita sobre o Facebook. A empresa inclusive andou excluindo posts de Bolsonaro por considerar que tinha informação falsa sobre a pandemia.