#bankerslife. Quer ser digital no @Itaú? Só indo na agência.

Nenhuma descrição de foto disponível.

#bankerslife. QUER SER DIGITAL NO #ITAÚ? SÓ INDO NA AGÊNCIA.
Que App, que nada!!! O lance para ser cliente digital no Itaú ainda é ficar em pé na fila. Tudo bem. Pode ser que tenha umas cadeirinhas para sentar. Um relatório MA-RA-VI-LHO-SO dos analistas do @JPMorgan, enviado hoje para investidores do mundo todo, mostra como é a vida dos clientes que querem abrir contas em bancos digitais no Brasil. A conclusão é que os grandes bancos brasileiros até tentam, mas ainda estão longe de atingir a supremacia do #NuBank, a fintech mais badalada do mercado.

Os analistas do JP Morgan abriram contas nos bancos digitais NuBank, #Next (#Bradesco), #Itaú, #Santander e #BancodoBrasil e relataram como foi o dia a dia desde que baixaram o aplicativo do banco até receber o cartão ou fazer uma transferência bancária.

O NEXT, banco totalmente digital do BRADESCO e voltado para a galera descolada, levou 21 dias para abrir a conta. 21!!!! DIAS!!!. Mas devemos considerar que no #NuBank leva-se 20 também. MINUTOS!!! Só para efeito de comparação. Enquanto os outros bancos já tinham enviado cartão de crédito e débito, o Next ainda estava tentando registrar a conta.

Disparado, o ITAÚ é o mais atrasado, mesmo com toda aquela história de @ para cá e @ para lá. E por quê? Pasmem! O millennium do JP Morgan que fez a experiência teve que ir até uma agência do Itaú e enfrentar fila!!!! Era para ser digital. Mas o Itaú exige que o cliente faça biometria antes de confirmar a conta e entregar a senha para o cartão. É o único banco que faz essa exigência. Sem contar que eles obrigam que dois apps diferentes sejam baixados. Um deles se chama Itaú Abreconta. Oi?

Quem até se saiu bem foi o BANCO DO BRASIL. No ano passado era quase impossível ter uma conta e agora é tudo rapidinho. A equipe do JP Morgan notou, entretanto, que o app do banco devia ser mais amigável e foi o único banco que não tinha a opção de um cartão free, ou seja, gratuito. Afinal o grande marketing do banco digital é ter tudo gratuito.

Já o SANTANDER não é dos piores, mas tem suas particularidades. A começar que o cadastro precisa ser feito pelo site e aí as quedas de rede foram constantes. O banco também possui dois apps: um para a conta e outro para o cartão. Cartão free? Até tem, mas tem que procurar bastante. E tem que ir num caixa para registrar a senha. Quase ir na agência né? Mas bizarro mesmo foi o teste de depósito. O banco cobra uma taxa de 10 reais, então eles fizeram a transferência de 10 reais e depois tiveram que transferir de volta 10 reais para não ficar devendo para o banco.

E o NUBANK, Tixa? O NuBank é tudo tão bom que os analistas nem reclamaram de nada. Até a embalagem em que você recebe o cartão de crédito é uma experiência. Parece uma coisa meio #Apple. O Next também tem esse aproach, já os outros bancos, dá uma olhadinha… só aquele envelopinho furreca mesmo.

#PP (Para os perdidos). Fintechs são as empresas emergentes do mundo financeiro e que focam no digital. Tipo start up e se é start up tem unicórnio, aquelas empresas que passam a valer de repente 1 bilhão. O Nubank é considerado o grande unicórnio brasileiro, e já vale mais de 15 bi de reais.
#PP1. O JP Morgan é um banco de investimento e que tem analistas que produzem relatórios para ajudar seus clientes a tomar decisões de investimentos. A ideia de contar como os bancos brasileiros estão lidando com o digital se deve ao próprio crescimento do Nubank que despontou como um forte concorrente do setor e a forma como os velhos bancos brasileiros estão lidando com a transição para o mundo digital.

Pós Post: Todos os bancos foram procurados pela reportagem mas não responderem até a publicação. Quando o fizerem, a gente atualiza.

NEXT: O next informa que 95% das aberturas de conta corrente são realizadas em até 2 dias. Nas 5% restantes, o banco já está desenvolvendo um trabalho para equalizar o tempo do processo para os parâmetros normais (até dois dias). Cabe esclarecer que quando o cliente faz Adesão ao Next, ele está abrindo uma Conta-Corrente, com soluções financeiras completas, incluindo Cartão de Débito, Cartão de Crédito, Linhas de Crédito e Investimentos. Não se trata, portanto, de abrir uma conta de pagamento, que possui limitações de valores transacionados, onde a exigibilidade regulatória da documentação é mais simples.

NEXT. O next informa que 95% das aberturas de conta corrente são realizadas em até 2 dias. Nas 5% restantes, o banco já está desenvolvendo um trabalho para equalizar o tempo do processo para os parâmetros normais (até dois dias). Cabe esclarecer que quando o cliente faz Adesão ao Next, ele está abrindo uma Conta-Corrente, com soluções financeiras completas, incluindo Cartão de Débito, Cartão de Crédito, Linhas de Crédito e Investimentos. Não se trata, portanto, de abrir uma conta de pagamento, que possui limitações de valores transacionados, onde a exigibilidade regulatória da documentação é mais simples.


BB: O Banco do Brasil informa que a Conta Fácil requer 5 minutos para ser aberta pelo app. A diferença entre Conta Fácil e conta corrente é que a conta corrente dá acesso a crédito, incluindo cartão de crédito sem anuidade (basta consumir R$ 100 por mês).


ITAÚ: O fluxo digital para abertura de conta no Itaú não pressupõe a necessidade de ir a uma agência. Esses casos são pontuais, quando há alguma inconsistência. Em relação ao aplicativo exclusivo para abertura de contas, ele foi criado para possibilitar a navegação mais rápida, já que é usado apenas para este propósito. Sobre a autenticação nos caixas eletrônicos, não é um procedimento padrão do banco. Entraremos em contato com o JP Morgan para entender o que aconteceu.

#bankerslife. Bradesco investigado por contas do Assad

Bradesco investigado por contas do Assad

#bankerslife. BRADESCO INVESTIGADO POR CONTAS DO ASSAD. A Lagartixa é pequenina, poucos seguidores, mas muito lida, não se enganem. Estamos aqui para isso: subir e fazer subir pelas paredes. Na semana passada, a Lagartixa revelou documentos que mostravam que o caso do Rio de Janeiro que levou dois gerentes do Bradesco à prisão por lavagem de dinheiro de doleiros de Sérgio Cabral não era um caso isolado. Os bancos Bradesco, Itaú e Santander abriram contas e até emprestaram dinheiro para empresas laranjas dos doleiros Adir Assad e Alberto Youssef.

Agora, uma semana depois, o Antagonista revela que a Lava Jato vai investigar movimentação de 1,2 bi de reais de Assad em duas agências do Bradesco em SP. Os gerentes abriram contas para empresas com sócios laranjas e em endereços fantasmas. Os procuradores, segundo o Antagonista, até acreditam que Assad possa ter escondido detalhes das operações em suas delações.

Mas como mostrou a Lagartixa, o Bradesco também tinha negócios com empresas laranjas de Youssef e que também Itaú e Santander abriram contas para empresas fantasmas dos dois doleiros.

#bankerslife. Avião particular

Avião particular luciano hang

#bankerslife. AVIÃO PARTICULAR. Luciano Hang está que é só sorrisos. Chegou ao Brasil o avião Bombardier Global 6000 que ele comprou pela bagatela de R$ 250 milhões. O novo avião da Havan tem capacidade para transportar 17 passageiros e pode voar até o Oriente Médio sem escalas. O avião tem até cama de casal.

PP (para os perdidos). Luciano Hang é aquele empresário catarinense dono das Lojas Havan e que fez campanha para a eleição de Bolsonaro. Outro dia fez até live com o presidente. Ele adora uma rede social, assim como o presidente.

#bankerslife. EXCLUSIVO. Bancões deram crédito a empresas fantasmas de Youssef e Assad

Bancões deram crédito a empresas fantasmas de Youssef e Assad

#bankerslife. Lembra do Alberto Youssef? O primeiro doleiro da Lava Jato? E do Adir Assad? Este era até promotor de shows, trouxe o U2 para o Brasil, a Amy Winehouse, a Beyonce.

Artistas à parte, ambos foram apontados como os maiores doleiros da Lava Jato. Aliás, a Lava Jato existe graças a Youssef que foi o primeiro a ser pego e a delatar os esquemas da Petrobras. Pois bem, os dois tinham dezenas de empresas fantasmas e muitas eram usadas para emitir notas frias às empreiteiras e com isso fazer rodar as propinas bilionárias. E adivinha onde algumas destas empresas tinham contas oficiais e tinham até crédito apesar de serem fantasmas, com endereços falsos e em nome de laranjas? No Bradesco, no Itaú e no Santander.

A Lagartixa Diária teve acesso a uma série de documentos juntados a processos judiciais que correram na Justiça paulista envolvendo as empresas e os bancos. Além de contas bancárias, as empresas fantasmas também receberam empréstimos como mostram os documentos nas fotos.

O Bradesco por exemplo tinha como clientes a Rigidez Empreiteira, a RCI Software, ambas de Youssef. O Santander tinha a MO Consultoria, a Rigidez, ambas de Youssef, alem da JSM Engenharia e Terraplenagem e a Rock Star, de Assad. O Itaú tinha as contas da MO e Rock Star. Todas estas empresas, segundo investigações do Ministério Público eram empresas fantasmas dos doleiros. A Rock Star era uma verdadeira estrela e já tinha aparecido na CPI do caso Delta Engenharia. Esta empresa foi muito usada no esquema de Adir Assad e emitiu nota fria para empreiteiras e até concessionárias como a CCR. Os bancos não conheciam seus clientes, como mandam as regras do Banco Central?

Para quem não sabe, hoje foi deflagrada no Rio a Operação Eficiência que prendeu dois gerentes do Bradesco que ajudaram a lavar quase 1 bilhão de reais por meio de contas oficiais abertas por empresas fantasmas dos doleiros de Sérgio Cabral. A denúncia feita pelo Ministério Público chegou também ao Itaú e ao Santander. Corre no post anterior que lá você encontra mais detalhes.

Os bancos não se pronunciaram sobre estes casos específicos.

#bankerslife. Lava Jato chega aos bancões

Lava Jato chega aos bancões

#bankerslife. LAVA JATO CHEGA AOS BANCÕES. Depois de quase cinco anos, a Lava Jato chegou aos três grandes bancos privados brasileiros. Doleiros de Sergio Cabral usaram contas oficiais abertas no Bradesco, Itaú e Santander para lavar grandes somas de dinheiro de propinas.

Dois gerentes do Bradesco foram presos hoje no Rio porque ajudaram, segundo denúncia do Ministério Público Federal, a legalizar quase R$ 1 bilhão por meio de contas oficiais abertas na instituição. No Itaú, a movimentação teria chegado a 94 milhões de reais e no Santander 19 milhões.

As denúncias foram feitas em delações premiadas dos doleiros Vinicius Claret (Juca) e Claudio Barboza (Tony).

CHEQUINHOS E BOLETOS. O esquema era bem complexo pois envolvia também um esquema no exterior. Mas em linhas gerais, os doleiros coletavam chequinhos de pequenos valores recebidos por empresas de varejo e depositavam em contas bancárias abertas por empresas fantasmas. O esquema também funcionava com boletos. Tudo para driblar o Coaf, sim aquele mesmo da novela do Sergio Moro no Congresso e do caso Queiroz. Depois o dinheiro era transportado direto para a organização criminosa.

Para abrir estas contas, havia um esquema com os gerentes dos bancos que faziam vista grossa à documentação apresentada. No caso do Bradesco, o MPF identificou pagamento de mesada aos tais gerentes.

Pelas regras do Banco Central, o banco precisa conhecer o seu cliente, ou seja, ele precisa saber se uma empresa existe de verdade ou não.

Mas você acha que somente os doleiros do Sérgio Cabral é que tinham contas de empresas fantasmas nos bancões? Dá uns minutos e corre para as páginas da Lagartixa Diária nas redes, que logo logo vamos te contar muito mais.

Bradesco disse que ficou sabendo pela imprensa. Tanto Bradesco quanto Itaú dizem que adotam as melhores práticas éticas. O Itaú também informou que as contas das empresas denunciadas foram fechadas há dois anos.

Foto: Marcelo Chello

#bankerslife. Padre marqueteiro, digo, tuiteiro

Padre marqueteiro, digo, tuiteiro

#bankerslife. PADRE MARQUETEIRO, DIGO, TUITEIRO. Padre Fábio Melo é um tuíteiro de marca maior. Tem mais de 6,5 milhões de seguidores e resolveu nesta semana contar que está há um mês com seu cartão @Bradesco bloqueado e a que a gerente o recomendou paciência. O post virou um case de marketing. Não teve banco que não respondeu para o padre tentando conquistar sua conta. Aliás, teve um banco sim, a Caixa. E foi um show de gente reclamando dos seus bancos e os mesmos tentando resolver a situação pelo fio do post do padre.

Lendo os 1.600 comentários é facilmente possível observar que os bancões tradicionais estão ficando para trás na comunicação com o povo usuário do Twitter. O cartão do @NuBank foi disparado o mais recomendo para o padre. O Bradesco ficou lá apanhando, tentando contornar a situação e ainda resolver outras pendências que foram aparecendo. Nem a fintech do Bradesco, o @Next apareceu muito.

O @Itaú chegou a manifestar interesse na conta do padre, mas pouco se falou dele. O @BB até parece ser querido pelos clientes. O Santander conseguiu ser mais ágil na comunicação e quase se aproximou das fintechs. Mas as fintechs, que se caracterizam por ser 100% digital e a um custo baixíssimo se não zero, foram as que mais interagiram. Além do Nubank, banco @Inter, @BS2, @Neon, @digio, @Méliuz, @Trigg, @GuiaBolso. As cooperativas de crédito também se achegaram. Teve até gente oferecendo bitcoin e a Nestlé oferecendo um KitKat. Foi um desfile de marcas.

Apesar dos desfiles das marcas, o post do padre reclamando do Bradesco nem foi daqueles que fez mais sucesso na conta do padre. Teve cerca de 18 mil curtidas e 1.600 comentários. Alguns dias antes quando o padre disse que queria comer um pastel com caldo de cana e shallow now, foram quase 100 mil curtidas. Melhor para o Bradesco porque quanto mais curtida, mais comentário, mais público é atingido.

#bankerslife. O banqueiro por trás da homenagem de Bolsonaro

O banqueiro por trás da homenagem de Bolsonaro

#bankerslife. O BANQUEIRO POR TRÁS DA HOMENAGEM A BOLSONARO. Devido ao quiproquó, quase todo mundo já sabe que o presidente Bolsonaro foi eleito a “Personalidade do Ano” pela Câmara de Comércio Brasil Estados Unidos e que acabou recebendo o prêmio em Dallas porque NY o rejeitou. Mas você sabe quem é o presidente da Câmara de Comércio que está por trás da homenagem? Vem comigo, que te conto.

Trata-se de Alexandre Bettamio, presidente para América Latina do Bank Of America, um dos maiores bancos dos Estados Unidos e que no Brasil tem foco no atacado em especial em operações de fusões, aquisições, venda de ações. Há anos vem prestando serviços para o governo brasileiro.

Neste ano o BofA, como é chamado, já conseguiu bons negócios com o governo em especial com a Caixa Econômica. É líder de operações de venda das ações do IRB e da Petrobras que pertencem à Caixa. Mas o banco foi muito comentado mesmo no fim do ano passado quando Paulo Guedes disse em conversa com Bettamio que queria fazer a fusão do BofA com o Banco do Brasil. A conversa surgiu porque Bettamio foi convidado para presidir o BB, mas acabou declinando do convite.

Bettamio foi um eleitor de Bolsonaro. Chegou a encerrar discursos com o slogan da campanha: “Brasil acima de tudo. Deus acima de todos”. Desde que assumiu a Câmara de Comércio, a tornou mais política e foi na sua gestão que foram homenageados Sergio Moro, João Dória e agora Bolsonaro. Nos 50 anos de história do prêmio oferecido pela Câmara é a primeira vez que um presidente em exercício é homenageado. Hoje no evento em Dallas, o presidente esqueceu o nome de Bettamio mas destacou que ele também fez escola do Exército. Em seu discurso, Bettamio destacou estarem em estado (Texas) fortemente movido pelas petrolíferas que têm interesses em comprar empresas no Brasil.

Quer forma melhor de fazer relações institucionais? Só não pegou bem o vai não vai do evento em NY.

#bankerslife. Privatização da Caixa

Privatização da Caixa

#bankerslife. PRIVATIZAÇÃO DA CAIXA. Sabe o tsunami que Bolsonaro disse que talvez aconteça na próxima semana? Fontes próximas ao governo dizem acreditar que se trata do anúncio da privatização da Caixa. A equipe de Guedes já mostrou para Bolsonaro que seria vantajoso para o governo que arrecadaria e se livraria de um antro de coisas estranhas. O presidente gostou da ideia até para dar alguma notícia que o mercado considere boa.

O general Santos Cruz tem ponderado, entretanto, que anunciar a privatização da Caixa antes de aprovar a Reforma da Previdência poderia desagradar os partidos do Centrão, que têm muito interesses na Caixa.

A Caixa dá pouco retorno comparada com os outros bancos. Tem um balanço que é uma verdadeira Caixa de papelão destas que guardamos de um tudo, desde financiamentos do Minha Casa Minha Vida até a administração dos recursos do FGTS. Sem contar que até agora não se sabe a extensão dos estragos da administração MDB no banco, já delatados no âmbito de operações da polícia federal. Enfim, o “talvez” usado por Bolsonaro diz tudo. Talvez inclusive nem tenha tsunami.

SIM, ERRAMOS: No texto original inclui que a Caixa tem 800 superintendências. A informação que tínhamos era de 80 superintendências e digitei errado. Mas sinceramente, vamos esperar a Caixa nos informar o número para publicá-lo novamente. Nos balanços ou no site não há esta informação confirmada. Obrigada. Tixa

Vida de banqueiro não é fácil, terá que pagar dividendo

A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sorrindo

#bankerslife. Bolsonaro anunciou hoje que o governo estuda cobrar imposto de renda sobre dividendos, que nada mais é do que o lucro distribuído pelas empresas a seus acionistas. Lembram do Ciro Gomes na campanha, que era quem mais atacava os banqueiros, e dizia que o Itaú distribuía bilhões e nenhum dos donos pagava nada de imposto? E isso é verdade. Os lucros bilionários que são distribuídos pelos bancos e pelas empresas em geral não contribuem para a arrecadação. O que Bolsonaro propõe agora é mudar isso. A ideia é reduzir a alíquota do imposto pago pelas empresas e passa a cobrar direto do investidor. Era uma proposta que praticamente todos os candidatos propuseram durante as eleições e Bolsonaro parece que vai fazer. O mercado não vai acordar muito feliz.

Vendendo a Ford

#bankerslife. O governador João Dória garantiu para a Ford que vai ajudá-la a vender a fábrica de caminhões em São Bernardo do Campo e assim, por enquanto, as demissões anunciadas ontem ficam em ‘stand by’. A batata quente caiu no colo do banqueiro Henrique Meirelles, que atualmente é secretário da Fazenda de São Paulo. O problema, segundo especialistas ouvidos pelo Lagartixa Diária, é que a planta a ser vendida é velha, o maquinário é antigo e o novo comprador terá que investir muito dinheiro para modernizar a fábrica e passar a produzir um modelo de carro mais moderno. Dinheiro alto em tecnologia, robótica e gente. Além disso, o mercado de caminhões teve uma queda enorme no volume de vendas nos últimos 4 anos, devido à crise. Não à toa os caminhoneiros paralisaram o País no ano passado. É muito caminhão rodando para pouca carga e assim os preços dos fretes caem. E não à toa a própria Ford não conseguiu vender ela mesma a planta. Na coletiva concedida hoje no Palácio dos Bandeirantes, Dória se esquivou da pergunta sobre possíveis benefícios fiscais para o novo comprador. Ao que parece, só assim para conseguir fechar negócio. #joaodoria#ford#SBC#metalurgicos#desemprego#caminhoes

A imagem pode conter: 1 pessoa, texto