#coronavírus. #Pílulas 26/06

A imagem pode conter: céu e atividades ao ar livre

📌Covas vai fechar, na segunda-feira, o hospital de campanha do Pacaembu, em São Paulo.
📌Doria permite reabertura de bares, restaurantes e salões de beleza.
📌Mas quarentena no estado é prorrogada até 14 de julho.
📌Enquanto isso, em BH, o prefeito volta atrás na reabertura e fecha tudo que não seja essencial.
📌OMS diz que vacina da Oxford, que está sendo testada no Brasil, é a melhor aposta contra a Covid19.
📌Levantamento do G1 mostra que os estados compraram 7 mil respiradores, mas receberam só 44%.
📌Parte dos respiradores se perdeu em contratos superfaturados.
📌Parte foi de calote de empresas que prometeram entregar e não entregaram
📌No Rio, só 5% dos respiradores comprados foram entregues.

#coronavírus. A irresponsabilidade a mando do Presidente!

A imagem pode conter: texto

Um grupo de seis pessoas adentrou a ala da Covid do hospital Ronaldo Gazolla, no Rio, gritando, chutando portas, invadindo leitos. A notícia foi dada pelo Globo e segundo o jornal o relato é de que o grupo estava inconformado com a morte de uma parente que estava bem no dia anterior, mas morreu de Covid hoje. Será que essas pessoas também acreditavam que era só uma gripezinha?

O médico Alex Telles, que atua no hospital e presidente do sindicado dos médicos, lembrou um detalhe triste: “Com o discurso do presidente, de que é pra dar qualquer jeito para entrar em hospital, infelizmente a tendência é que as pessoas se sintam cada vez mais autorizadas a desrespeitar as normas. Nós estamos ali cuidando das pessoas, sobrecarregados e somos vítimas disso tudo.”

Para quem não viu, Bolsonaro disse ontem que as pessoas deviam dar um jeito de invadir hospitais de campanha ou hospitais públicos para filmar. O presidente quer provar que os hospitais não estão cheio de doentes por Covid.

#coronavírus. A corrida eleitoral da vacina.

Doria anunciou hoje com pompa e circunstância que São Paulo vai lançar a vacina para o coronavírus. Uau, Tixa!!! Na verdade, quem pesquisou a vacina foi um laboratório chinês, darling. Mas a pompa de Doria até fez alguns acreditarem que a vacina é dele.

Uma empresa chinesa fechou acordo com o Instituto Butantã para que a terceira fase da pesquisa da vacina seja feita no Brasil e, em dando resultados, o instituto produzirá a vacina. A expectativa é de que seja produzida no primeiro semestre de 2021. Isto é de fato uma ótima notícia pois significa que o Brasil terá a vacina assim que ficar comprovada sua eficácia. Mas de qualquer forma, vale lembrar que o Brasil foi escolhido porque os testes precisam ser feitos onde a doença está a todo vapor.

Mas até a vacina virou corrida eleitoral. O Ministério da Saúde, por exemplo, está apostando na pesquisa da Universidade de Oxford, da Inglaterra. O general interino da saúde, o Pazuello, diz que o ministério está apostando que a vacina “vai acontecer”no segundo semestre. Ou seja, antes da vacina do Dória. O Brasil também fornecerá as cobaias para o teste da vacina de Oxford, mas neste caso ainda não foi fechado parceria para produção. É apenas expectativa.

#coronavírus. Maquiando os mortos.

O general ministro interino saiu hoje pela tangente e disse que imagina, ele nunca quis esconder dados, pelo contrário, estavam trabalhando na divulgação de dados mais precisos há 20 dias e blá, blá, blá. E Bolsonaro se gabou de que Pazuello mesmo sem ser médico sabe muito mais do que o Mandetta, que é médico.

Bom darling, claro que depois que a imprensa fez um consórcio para acompanhar os dados diretamente das secretarias estaduais e que o supremo Alexandre de Moraes mandou, de mandar, que Pazuello mostrasse os números, fica fácil dizer que o tempo todo estavam pensando na transparência, né?

O ministério da saúde parece que queria ou quer esconder sim os dados. Primeiro que teve o bilionário que ia ser secretário que disse que eles iam recontar os mortos e depois o bilionário não assumiu. Mas a própria mudança de sistema foi esquisita e pouco transparente. O ministro diz que agora apenas os mortos do dia entram na estatística. E os outros mortos vão sendo contabilizados nos dias anteriores. É errado? Não.

Mas tem duas coisas para entender:

1. Mesmo com a nova forma de contabilizar, no número acumulado devem aparecer todos os mortos por Covid. Então mesmo que de um total de 1.500 mortes, “só” 500 pessoas efetivamente tivessem morrido naquele dia e esse fosse o número divulgado pelo ministério, as outras mil seriam contabilizadas em dias anteriores. No fim das contas, no entanto, o acumulado traria de qualquer forma o total de 1.500 novas mortes. O problema é que o ministério sumiu com os dados acumulados e passou a mostrar só o do dia, numa clara tentativa de dar a sensação que estamos tendo menos número de mortos.

2. Se hoje divulgarmos 1.500 mortes no dia, a análise dos dados do ministério da saúde mostram que daqui um mês é provável que saibamos que nesse dia morreram muito mais que 1.500 efetivamente. Ou seja, divulgar apenas 500 mortos no dia é sim subnotificar.

Ficou difícil entender, né? Por isso mesmo que montei esse video pra você, que traz uma ótima explicação sobre esse rolê do registro de número de mortes. A explicação é do Dr. Atila Iamarino, que é microbiologista e tem acompanhado desde o começo a evolução da pandemia. Este vídeo foi gravado no dia 01 de junho, mas explica bem o que tentei explicar ali em cima.

#coronavírus. Como perder a credibilidade.

A OMS está dando show de como perder credibilidade. Ontem uma das diretoras disse em entrevista coletiva que estava percebendo que as pessoas assintomáticas raramente transmitem a doença. Hoje retiraram o que disseram.

Nossa, darling, ontem Bolsonaro pegou a notícia e feito foguete foi para as redes dizer que tinha razão. E a notícia de fato era muito boa. Mas o diretor Michael Ryan da OMS disse hoje estar absolutamente convencido de que a transmissão por assintomáticos está ocorrendo, mas não se sabe quanto. E eu estou convencida de que já estamos malucos com esse vai e volta.

Já a diretora Maria Van Kerkhove, que havia dito ontem que existia a chance dos assintomáticos não transmitirem a doença, esclareceu hoje que são poucos os estudos, feitos com amostragem pequena da população, e que sequer foram publicados. Mas falou de novo que alguns Estados-membro constataram que, quando acompanharam casos de assintomáticos, é muito raro haver transmissão.

A fala da diretora gerou grande repercussão porque é difícil estabelecer quem é de fato assintomático. A pessoa pode ser apenas pré-sintomática, ou seja, é questão de dias que tenha os sintomas e aí comece a transmitir. Além disso, quem tem sintomas leves também transmite. Mas Bolsonaro que vive criticando a OMS, obviamente, usou esse caso para dizer que ele esteve sempre certo e que desde o começo não devíamos ter fechado a economia. Resultado: se não tem estudo publicado a diretora devia ter ficado quieta.

#coronavirus. Pílulas.

A imagem pode conter: 1 pessoa, texto

📌Gente, vocês que não entenderam. Os dados compilados sumiram e agora só se divulga o dado do dia às dez da noite porque o governo está com medo da subnotificação. Olha como Bolsonaro se preocupa. Palavrinha sobre os mortos? Ah, darling, daí já é pedir demais, né?

📌O supremo Gilmar diz que tentar esconder números não vai tirar responsabilidade de atos genocidas.

📌Ontem, o secretário bilionário da saúde disse que o governo vai recontar os mortos. Os secretários da saúde reagiram dizendo que o governo está querendo esconder mortos e não tem a menor sensibilidade com as famílias que perderam seus entes queridos.

📌Mandetta: “Me parece que estão querendo fazer uma cirurgia nos números dos protocolos públicos. Não informar significa o Estado ser mais nocivo do que a doença”