#perdeuorabo. Ministro por um dia.

A imagem pode conter: 5 pessoas, texto

Vicente Santini começou o ano, nas redes, cheio de esperanças, xingando a extrema imprensa, o pessoal que enganou o Brasil por muitos anos, se achou o trabalhador, fez loas a Bolsonaro…. Até que pegou o cargo de ministro, interinamente, por conta das férias do Onyx Lorenzoni e resolveu dar um rolê internacional num avião da FAB. O rolê pegou tão mal que Bolsonaro o destituiu do cargo de secretário executivo pela imprensa sem nem falar com o Onyx.

Mas é ilegal, Tixa? Não darling, não é ilegal. Os ministros ou quem está ocupando o cargo têm direito a rolezinhos de trabalho em aviões da FAB. E não pense que são aqueles aviões que levam soldados pra guerra quase como um cargueiro. Nada. É coisa chique.

Mas o pecado de Santini, ou a imoralidade como disse Bolsonaro, é que ele pegou o avião só para ele. Estavam ele e duas assessoras, indo do Brasil para Davos e de lá para a Índia. Enquanto isso, os outros ministros foram de econômica em vôo comercial. #deuruim.

#perdeuorabo. Mais uma fila para os pobres.

Não tá fácil ser pobre não, darling. É fila pra tudo. Tá falando da fila do INSS, Tixa? Não, darling, da fila do Bolsa Família.

O Globo conseguiu por meio da lei de acesso à informação o número de gentes na fila para receber o benefício e descobriu que quase meio milhão de pessoas estão lá esperando e esperando e esperando. E sabe o que é pior? A fila era de zero pessoas, no final do ano passado. E sabe o que é ainda pior? As pessoas na fila estão dentro das regras para poder receber a bolsa, ou seja, estão na miséria.

Outro detalhe importantíssimo. O jornal levou meses para conseguir a informação porque o ministério da Cidadania estava se recusando a repassar os números. A Controladoria Geral da União teve que intervir e mandar o ministério divulgar os dados.

O ministro da cidadania, Osmar Terra, justificou dizendo que pelo menos a fila do Bolsonaro é menor que a da Dilma. Aff. É verdade. Em 2015, a fila era de 1,2 milhão de pessoas. Mas e daí, ministro? Era zero em 2018. Hello!!!

#PP (para os perdidos). A lei de acesso à informação é de 2011 e obriga os órgãos públicos federais, estaduais e municipais a serem transparentes com a população. Se você quer saber alguma coisa, é só pedir via lei de acesso. Claro, que a lei acaba sendo muito usado pela imprensa, mas diversas instituições civis também usam a lei.
#PP1. O site Poder360 fez um levantamento que mostra que em 2019 só 47 dos 303 órgãos federais que receberam pedidos pela lei de acesso, responderam os questionamentos nos prazos estabelecidos pela lei.

#perdeuorabo. Ministro tiraria zero em redação do Enem.

O ator, cantor, roteirista, gaitista, modelo e manequim, apresentador infantil, performancer e eventualmente ministro da Educação, Abraham Weintraub, está se revelando de fato um grande ator. Foi para as redes dizer com uma voz suave, calma, quase como se estivesse sussurrando para todos ficarem tranquilos, que está tudo certo com o Enem e o Sisu, e que as reclamações são dessa gente filiada a partidos de esquerdas.

Só que não! Foi uma revolta nas redes. A influencer de educação, Debora Aladim, chegou a dizer que esta argumentação de Weint é tão ridícula que ele tiraria zero na redação. (veja o vídeo, está imperdível).

Além disso, ontem à noite, a Justiça mandou o MEC suspender a divulgação do resultado do Sisu até que o ministério mostre como fez a correção da correção das provas. É isso mesmo, darling. Correção da correção.

As reclamações com o Sisu não param nas redes. O Sisu é o sistema para que os alunos possam pleitear vagas nas universidades por meio da nota do Enem. Mas não só teve aluno que teve a nota revisada e outros que não tiveram a chance de recorrigir a prova, como o site de uma hora para outra mostrava notas de corte subindo drasticamente.

É normal que num dia o aluno tenha uma nota que lhe dá direito à vaga e, no dia seguinte, acabe não conseguindo porque mais candidatos entraram no sistema, com notas maiores, e, portanto, a nota de corte suba. O que quem acompanha o Enem está dizendo é que subiu demais de uma hora para outra e que pode sim ser erro no sistema. Por exemplo, os alunos estão dizendo que estão sendo aprovados na primeira e segunda opção e por isso a nota de corte está subindo tanto.

#perdeuorabo. Corre Moro!

A imagem pode conter: 1 pessoa, texto

Moro resolveu abrir uma conta no Instagram antes que o presidente o termine de fritar, digo, para alcançar outro público na divulgação do MJSP que está prestes a perder o SP.

PP (para os perdidos). Bolsonaro disse logo cedo que está pensando em recriar o Ministério de Segurança Pública e disse que claro que o Moro não ia concordar.
#PP1. Bolsonaro costuma desmentir quem noticia que ele quase demitiu o Moro ou que o tem como adversário, mas a verdade é que Moro é mais popular que Bolsonaro e uma ameaça à reeleição.

#perdeuorabo. Bolsonaro diz para NYTimes: Fakenews.

Trump vai ficar orgulhoso de Bolsonaro. A secretaria de comunicação tascou um selo de FakeNews em artigo do jornal The New York Times. Bolsonaro retuitou, a galera está indo postar a fotinho lá no Twitter do jornal, aquela festa.

Tecnicamente, até daria pra dizer que o jornal americano errou mesmo. O NYT escreveu um artigo de opinião que fala da “denúncia do governo brasileiro contra Glenn Greenwald”. Só que não foi o governo que denunciou. Foi o Ministério Público.

Mas o que o jornal parece estar querendo dizer mesmo é que Bolsonaro influenciou a denúncia. Vamos ver como os editorialistas vão se posicionar diante da nota da SECOM.

A própria SECOM preferiu falar em influência do que um “não fomos nós, foi o procurador, seu burro”. Eis o tuíte da secretaria de comunicação: “Atribuir ao Governo Federal qualquer influência no procedimento do Ministério Público é uma grande mentira. E um desrespeito à instituição e ao Brasil.

PósPost: O primeiro parágrafo do artigo diz:

“A denúncia do governo brasileiro contra o jornalista americano Glenn Greenwald é um caso cada vez mais familiar de atirar no mensageiro e ignorar a mensagem”

#perdeuorabo. Alvim chamou Bolsonaro de Hitler.

A imagem pode conter: 3 pessoas, texto

Já se falou de tudo sobre Roberto Alvim. ihh Tixa!!! Ainda estou confusa com tudo aquilo! Pois é, darling. Alvim apagou sua conta no Face e Dudu, o 03, passou o sábado tentando convencer a todos que o comunismo é pior que o nazismo. Dudu percebeu?

Mas como disse, já se falou tudo sobre Alvim. Que ficou maluco, que recaiu e tomou drogas, que estava fazendo uma performance, que é isso daí mesmo, um nazista, que foi enganado por um estagiário, que subestimou a capacidade das pessoas de descobrir as frases de Goebbels no meio do seu discurso.

Mas aí vem a capa da Folha com as duas fotos. A de Alvim e logo abaixo a de Goebbels, o tal ministro de Hitler. Visualmente o que diz? Sem errar, que Alvim chamou Bolsonaro de Hitler. Talvez não à toa, Dudu, o 03, se deu ao trabalho de explicar que o comunismo foi pior do que nazismo.

Aff Tixa!!! Aff mesmo, darling.

Mas para sair do campo da especulação, vou contar um pouco da história de Roberto Alvim por meio de uma extensa reportagem que a revista piauí fez em 2014 com o que chamou na época de O Radical.

Alvim é um dramaturgo. Para quem não entende nada de teatro, tipo uns 99% da população, daria até para achar que ele é um zé ninguém. Mas não é bem isso que a reportagem da piauí conta.

As peças de Alvim foram encenadas na França, Alemanha, Espanha e México. Foi um dos poucos brasileiros (pelo menos até 2014) publicados em uma cultuada coleção francesa de dramaturgia chamada Les Solitaires Intempestifs.

Era aclamado por alguns críticos: “Outro dia eu estava revendo um Roda Viva com o Zé Celso, dos anos 80. A coisa mais parecida com aquela vitalidade que conheci no teatro brasileiro foi o Alvim, a pessoa com gana de buscar a polêmica, o debate.”.

Uma das montagens feitas por Alvim foi considerada “um acontecimento extraordinário na dramaturgia brasileira contemporânea”.

Dito tudo isto, ainda tem mais. Ele em determinado momento buscou o caminho autoral de suas peças e para isso se aproximou das artes plásticas, da filosofia, da psicanálise, da música e da leitura de teóricos das artes.

É o que poderíamos chamar de um homem muito culto.

Ele tinha um teatro em São Paulo, chamado Club Noir e reclamava por não ser reconhecido.

Depois de 2014, descobriu um câncer e acredita que foi salvo por obra divina. Desde então, assumiu seu lado bolsanarista. Quando o fez, acusou a esquerda de boicotar o seu teatro. Fechou as portas. Deu entrevistas. Fez cena. Foi então convidado a ser presidente da Funarte. Chamou a atenção na função quando disse que Fernanda Montenegro era sórdida e ao jorrar o discurso de uma arte conservadora no país. Bolsonaro parece que adorou e o alçou a secretário da Cultura.

Na live de quinta, Bolsonaro disse que finalmente tínhamos um secretário da Cultura de verdade. Horas mais tarde, Alvim publicou um vídeo nos canais oficiais do governo em que usou toda uma cena nazista. Da música, à postura até chegar ao texto.

“Um artista tem a obrigação de criar signos que induzam as pessoas a procurar seus múltiplos significados”, disse Alvim à piauí, lá em 2014.

E foi o que ele fez na sua última obra. Estamos até agora procurando os múltiplos significados.

Como disse Laerte: “e se tudo isso foi uma performance do Alvim, um black-mirror radical?”

#PP (para os perdidos). Black Mirror é uma série de ficção científica da Netflix que a cada capítulo traz um conto com temas obscuros ou satíricos com uma realidade sempre surpreendente.

#perdeuorabo. Oficialmente demitido.

A imagem pode conter: 1 pessoa, texto

Demitido, Roberto Alvim diz que foi ele que botou o cargo à disposição para proteger Bolsonaro. E quanto à frase parecida com a de Goebbels, ele diz que foi culpa de um assessor. E a música preferida de Hitler, e a maquiagem parecida com Goebbels foram culpa do estagiário também? ‬

Pós Post ATUALIZADO. O Palácio do Planalto acabou de oficializar a saída de Alvim. Em nota assinada , Bolsonaro disse que foi um pronunciamento infeliz, ainda que tenha se desculpado, foi impossível mantê-lo no cargo.

#perdeuorabo. Secretário de Bolsonaro ganha por fora.

Nenhuma descrição de foto disponível.

O secretário da comunicação de Bolsonaro disse há um tempo que é um tremendo conflito de interesses as empresas de comunicação fazerem pesquisa de popularidade de Bolsonaro. Mas hoje ele disse à Folha que não tem conflito nenhum o fato dele ser o responsável no governo para distribuir verbas a TVs e agências de publicidade e ao mesmo tempo receber delas dinheiro por meio de sua empresa particular.

Aff Tixa!!! Está rolando isso é? Nem sei se entendi.
Está, darling. Quem revelou um esquema estranho da empresa do secretário foi justamente a Folha.

O nome do secretário é Fábio Wajngarten. Ele ajudou na campanha de Bolsonaro e foi abençoado por Carluxo para o cargo na Secom depois que começou a haver uma insatisfação com os generais que estavam na comunicação. Carluxo claro diz que nem o conhece e até ultimamente chegou a criticar novamente a comunicação (Carluxo queria o cargo pra ele, mas não pode).

Wajngarten tem todo o estilão Bolsonaro e gosta de xingar as empresas de jornalismo nas redes.

Algumas emissoras, no entanto, são preferidas. Casos da Record e da Band que com frequência são usadas para entrevistas com Bolsonaro. Elas também são as preferidas na hora da distribuição de verbas publicitárias. As fatias das duas cresceram no ano passado, superando até mesmo a verba destinada para a Globo, apesar de terem menor alcance de público.

A reportagem da Folha revela que Record e Band possuem contratos com a FW, a empresa de Wajngarten, onde detém 95% das ações. A Band, por exemplo, disse que o contrato já vem de longa data.

Outras três empresas de publicidade que assessoram a Caixa também têm contratos com a FW.

É muito dinheiro, Tixa? Não, não é nada milionário, mas gira em torno de uns 50 mil por mês. Levando em conta que ele ganha 17 mil no governo, é um bom dinheiro. Além disso, é contra a lei, darling. Quem tem cargo que decide destinação de recursos no alto escalão do governo não pode ter empresa particular prestando serviços privados. Wajngarten diz que se afastou da administração. Mas ele continua como o principal sócio.

#perdeuorabo. Não bebam.

A imagem pode conter: bebida

A dona da cervejaria Backer é que deu o recado hoje: não bebam a Belorizontina de nenhum lote de fabricação. Duas pessoas já morreram em Minas com suspeita de a causa ter sido a cerveja. Outras 17 pessoas estão com sintomas parecidos, causados por uma substância de nome esquisito (dietilenoglicol) e que está causando intoxicação.

Ainda não se sabe se é erro no processo de fabricação porque parece que a substância poderia ter saído do sistema de refrigeramento, outra hipóstese poderia ter sido erro do fornecedor que poderia ter trocado substâncias usadas no mesmo processo, pode também ser sabotagem ou vá saber o que mais.

O que se sabe de concreto é que o caso é grave a ponto de a dona da cervejaria pedir que as pessoas não bebam a cerveja. Além da Belorizontina, a empresa também pediu que não se beba a cerveja Capixaba.

#PP (para os perdidos). Sintomas causados pelo consumo da tal dietilenoglicol: insuficiência renal aguda e alterações neurológicas, que podem provocar paralisia facial, embaçamento ou perda da visão, alteração sensório, paralisia, entre outros sintomas.
#PP1. Os casos de intoxicação começaram a surgir em dezembro mas demorou até ser identificada a causa.
#PP2. As duas pessoas que morreram pela intoxicação por dietilenoglicol teriam tomado a cerveja, segundo relato de parentes, no mesmo bairro em Belo Horizonte: Buritis.

#perdeuorabo. O direito ao assédio.

Nenhuma descrição de foto disponível.

O sujeito é deputado, lutador de jiu-jitsu, bolsanarista, pelo visto assediador profissional e de repente achou que ele é a pessoa certa para dizer o que as mulheres devem fazer. Saiu a dizer por aí que as pautas femininas viraram tão extremistas que estão até querendo tirar direitos das mulheres. O direito ao assédio. Não Tixa, ele não disse isso!!!! Ai darling, ele não só disse como escreveu.

O deputado estava fazendo uma campanha para que as mulheres não usem a tatuagem #NãoéNão no carnaval de Santa Catarina. E aí chamou as pessoas de hipócritas dizendo que qual é o homem ou mulher que não gosta de ser assediado?

E fez mais: se gabou há pouco nas redes sociais de que por conta da repercussão (que foi grande) de seu posicionamento, totalmente ignorante diga-se de passagem, o Brasil inteiro está debatendo o assunto e que só por isso ele já fez mais pelo combate ao assédio do que as feministas. ok darling, pode vomitar.

Acho que o dito deputado aí devia ir dar uma olhadinha no dicionário para ver se ele não perdeu alguma coisa. Ou se alguém quiser desenhar pra ele. Frank Maia, se habilita?

#PP (para os perdidos, no caso o tal deputado). Assédio. cerco, sítio, insistência, perseguição.
#PP1. Nenhuma mulher é obrigada a aderir à campanha da tatuagem #NãoéNão, entonces. Isso é direito. O direito de escolher.