#comendomosca. Havan boicota Globo, pero no mucho.

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, texto

Quem aí fica surpreso se eu contar que o Luciano Hang da Havan anunciou hoje que vai aderir ao boicote à Globo? Um total de zero pessoas. Mas vou te contar então o que é surpresa: ele não aderiu 100%. Como assim, Tixa?

Veja que o comunicado cita uma série de programas em que a Havan não vai mais botar seu comercial, mas não cita programas como É De Casa, Encontro e Fantástico. O É de Casa e o Encontro, da Fátima Bernardes, são os programas queridinhos da Havan, onde ela mais anuncia. O Fantástico foi o programa que o dono da Havan escolheu em setembro do ano passado para estrear em rede nacional.

Mas também notem que Hang fez questão de incluir o Caldeirão do Huck, que como todos sabemos logo nem deve mais existir se o apresentador de fato se lançar candidato a presidente como está se configurando.

Digamos que é um meio boicote. O boicote que convém. Sem contar que o comunicado frisa que os anúncios vão continuar nas afiliadas da Globo. O que isso nos diz? Que não é fácil para as empresas, como acha Bolsonaro, boicotar o maior canal de televisão. Marketing é marketing. E depois é um erro estratégico das marcas se associarem a um governo. Principalmente para aquelas que querem viver mais do que os governos.

#PP. (Para os perdidos). Na semana passada, em sua live de quinta, Bolsonaro sugeriu às empresas que não anunciem mais na rede Globo porque a emissora só conta fake news e não valoriza a família. Fruto do chilique que ele teve por conta da reportagem do porteiro que citou o seu nome no caso Marielle.
#PP1. Luciano Hang é um dos maiores apoiadores de Bolsonaro, fez e faz campanha ostensiva para o presidente. Ele é o dono das lojas Havan, aquela que é uma casa branca, como a dos Estados Unidos, e tem uma estátua da Liberdade em frente.