#éNoiteNaCidade. Ele veio para confundir, com Supremo, com tudo.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, terno e texto

Sabe como Bolsonaro está enfraquecendo as instituições? Politizando tudo. O modus operandi é assim: Fala mal, fala mal, fala mal. A instituição reage. Bolsonaro passa a elogiar. Depois se amiga. E quando chega neste ponto, ninguém mais acredita na tal instituição. Os apoiadores dele porque acreditaram quando ele falou mal, e os que não o apoiam porque agora ele está falando bem. E assim vai, num círculo vicioso, até estar todo mundo sem acreditar em nada.

👮‍♀️ Veja o caso da #PolíciaFederal. Falou, falou, falou mal. Daí trocou o diretor geral. Moro reagiu pela PF e pediu demissão dizendo que ele queria interferir politicamente. Hoje, Bolsonaro elogiou o trabalho da PF, que fez operação na casa do Wilson Witzel, seu inimigo político declarado. O Witzel merecia? Fez coisa errada? O STJ entendeu que existem provas robustas de que o governador do Rio fez parte de esquema que fraudou orçamentos para construção de hospitais de campanha. Mas qual a primeira reação? Todo mundo já ficou com a pulga atrás da orelha pensando: ‘Ihhh, a PF agiu a mando de Bolsonaro. Será que tinha mesmo treta contra o Witzel?.’

👦🏻 Outro exemplo. O Rodrigo Maia. Bolsonaro bateu, bateu, bateu no presidente da Câmara. Maia reagia manipulando a pauta da Câmara. Bolsonaro convidou prum café na sexta, chamou de meu rei, abraçou. Uma semana depois, o general Heleno soltou uma nota que dizia que se a Justiça mandasse pegar o celu do Bolsonaro coisas imprevisíveis iriam acontecer. Maia levou quatro dias, QUATRO, para ter alguma reação à ameaçadora nota.

🕊️Quatro dias depois, quando resolveu falar, da mesa da presidência da Câmara, Maia pediu paz. Disse que é hora de acalmar os espíritos. Até deu umas cutucadinhas em Bolsonaro, como quando afirmou que lá no Congresso eles obedecem ordens judiciais porque assim manda a Constituição, mas também elogiou a dignidade do presidente ao tentar formar sua base aliada. Dando cargos pro centrão, darling, vamos esclarecer a real da dignidade a que se referia Rodrigo Maia.

📰A imprensa. Bolsonaro fala mal, fala mal, fala mal. Seus apoiadores hostilizam. Parte da imprensa reagiu e alegando falta de segurança disse que não ia mais cobrir o cercadinho do Planalto. Outra parte resolveu que quer continuar indo ao cercadinho. E hoje lá estava Bolsonaro, todo manso. Parecia um papo de comadres. Na figura ampla, ninguém diferencia que imprensa é aquela lá. É tudo imprensa.

Ele faz premeditado, Tixa? Darling, como saber. Só sei que ele confunde todo mundo uma hora dizendo uma coisa, outra hora outra e daqui a pouco ninguém mais sabe de nada. Mas não é só ele. É mal, ou estratégia, de família.

🤡Flavinho fez uma live nesta terça para dizer como é absurdo o que está acontecendo no Rio e blá, blá, blá e daí pelas tantas diz que Queiroz é um cara honesto, que luta pelo que acredita. O Queiroz Queiroz, Tixa? O Queiroz Queiroz, darling. Aquele mesmo que ele, Flavinho, demitiu do seu gabinete quando ficou sabendo que ia rolar uma operação da PF por conta da rachadinha. Flavinho chegou a dizer que estava decepcionado com Queiroz e que nunca mais tinha falado com ele.

👨🏻‍⚖️Sem contar o Supremo. Fala mal, depois fala bem, depois abraça o Toffoli, depois manda no Celso de Mello, depois vai a manifestações contra o Supremo. Depois faz nota de respeito mútuo. E agora vai ter que lidar com seu ministro educado, Abraham Weintraub, que vai ter que ir, por ordem de Alexandre de Moraes, se explicar sobre a história de prender os vagabundos do Supremo. História da reunião treta ministerial, darling.

🦠E a pandemia, Tixa? A pandemia segue firme e cada vez mais forte. Mais mil mortos registrados hoje. Mas Bolsonaro politizou até a cloroquina. Politizou o isolamento social. Politizou o próprio corona.

🐂 E só para terminar o #éNoite deixando aquela sensação de chama a mãe que o pai tá doido, o STJ liberou hoje que Joesley Batista volte a administrar suas empresas, entre elas a JBS. Sim, darling, o homem que gravou um presidente da República, que comprou, sei lá, 3/4 de todos os políticos do Brasil, confessou, está livre para comandar o seu reino do gado. E VIVA LA VIDA LOCA.