#vajaJato. Vazando não, pingando.

A imagem pode conter: 2 pessoas, terno e texto

E a #vazaJato que há tempos não está valendo estourar um saquinho de pipoca sequer, veio hoje com duas revelações que, que, que… não empolgaram tanto assim.

Tixa do céu, cadê as bombas do Intercept? Pois é, darling. Também estou esperando a grande bomba que vai abalar Bangú.

Mas vamos ao material de hoje. Primeiro em matéria da Folha, veio a revelação que mensagens do Telegram de Deltan mostram que a força tarefa e Sergio Moro omitiram da ministra Rosa Weber do Supremo informações relevantes sobre aquela operação que catou o Lula para depor à força na Polícia Federal em 2016. Entre as informações, a de que a ministra Rosa Weber foi citada nas gravações do telefone do Lula. 

Tixa, mas isso é importante. É. Mas o próprio ministro Teori Zavascki, que já morreu, já tinha dado puxão de orelhas em Sergio Moro por não ter levado o caso ao Supremo, já que tinha gente com foro privilegiado sendo citado. E ficou por isso.

A briga era porque os advogados de Lula queriam que a investigação ficasse em São Paulo e saíssem das asas de Moro. Já a Força Tarefa de Curitiba queria vincular a história à corrupção da Petrobras e deixar o caso lá com eles. Rosa acabou decidindo que ficasse em Curitiba.

Já na reportagem que saiu no El País, as mensagens da galera de Curitiba mostram que eles tiraram um barato da equipe da Força Tarefa de SP. Tudo por conta do fraco desempenho em comparação com RJ e PR. Parece que uns procuradores fazem o estilo meio João sem braço. As operações de São Paulo estão mais focadas no PSDB já que as do Lula ficaram quase todas em Curitiba. 

Ou seja, continuamos sabendo que a Lava Jato é um antro de excessos de poder e um grande game. Game over.