#vazaJato. Lava Jato não quis investigar os bancos

A imagem pode conter: texto

#vazaJato. LAVA JATO NÃO QUIS INVESTIGAR OS BANCOS. Sabe aquela sensação de que o banco sempre sai ganhando? As novas conversas da Vaza Jato reveladas pelo El País e Intercept mostram que é sempre mesmo. As conversas do Telegram dos procuradores mostram que eles não investigaram os bancos como deviam e preferiam sentar para fazer acordos.

O Robito (lembra dele? Aquele que ia fazer empresa de palestras com Deltan) chega a dizer que os bancos faturaram muuuuito com as movimentações bancárias de Adir Assad, um dos maiores doleiros investigado na Lava Jato. Assad chegou a abrir uma conta no Bradesco nas Bahamas e sabe o que fez o Bradesco, segundo Robito? Nada. E sabe o que fizeram os procuradores da Força Tarefa de Curitiba, segundo a Vaza Jato? Nada.

Aliás, nada não. Deltan Dallagnol fez uma palestra na Febraban, a poderosa federação dos bancos, e ganhou 18 mil reais. Sem contar uma palestra secreta que fez para banqueiros na XP, também remunerada.

E sabe a delação do Palocci que o Ministério Público não quis aceitar? Então, parece que só o Bradesco o Palocci cita 32 vezes. E outras 70 e poucas o Safra.

Fora um monte de outros indícios que chegaram ao conhecimento da Lava Jato em Curitiba.

A Lagartixa mostrou em maio que todos os bancões, Itaú, Santander e Bradesco, chegaram a dar crédito para empresas fantasmas de Assad e o doleiro Youssef. Ou seja, indícios de que os bancos não cuidavam do seu compliance não faltava, mas os procuradores de Curitiba ignoraram.
Confira aqui:

http://www.lagartixadiaria.com.br/bankerslife-exclusivo-ba…/

PP. (Para os perdidos). Os bancos precisam seguir regras rigorosas de “conheça seu cliente” para evitar lavagem de dinheiro. São conhecidas como regras de compliance, na tradução seria conformidade.